Forte de Santo Antônio (Paraíba)

Identificador: 
CO-85
Identificador Interno: 
CO-13182
Tipo: 
Militar
Lugar: 
Cidade de Filipéia
Data final: 
1589
Arquiteto: 
Diogo Paes
Custos: 
A restauração pelos holandeses em 1634 custou 720 florins.
Alt
Há vestígios originais visíveis?: 
Descripción de los vestigios: 
A única parte que resta do forte é o entrincheiramento no lado da terra; a parte norte do forte foi arrastada pelo rio. O muro no lado da terra foi convertido pelos holandeses em um abrigo fechado com uma paliçada, como o governador Johan Maurits de Nassau havia instruído durante sua visita à Paraíba. O abrigo holandês foi usado principalmente como uma torre de vigia.
Existe um projeto arquitetônico conhecido?: 
No
Principales transformaciones durante el periodo 1580-1640: 
-1589-1590: portugueses e espanhóis constroem a Fortaleza de Santo Antônio em terreno baixo, na margem norte do rio Paraíba. -1631-1633: um novo reduto foi construído no lado esquerdo da foz do rio Paraíba, em frente ao forte de Santa Catarina do Cabedelo. Os holandeses atacaram o forte, mas sem sucesso. -1633-1634: O forte foi reforçado pelo engenheiro Diogo Paes, mas ainda não está completo, pois os parapeitos ainda não foram construídos. -1634-1641: após a conquista da Paraíba, os holandeses iniciaram a restauração do antigo forte. A restauração deve ter acontecido por volta de -1636, pois se registrou o pagamento de 720 florins por ela em 23 de setembro de 1636. Fonte: https://www.newhollandfoundation.nl/werk/forte-de-santo-antonio/
Observações: 

Forte situado ao lado oposto do Forte de Cabedelo. A primeira estrutura remonta a 1589, abandonada 10 anos depois. Em 1631 era um reduto sob a invocação de Santo Antônio. Nesse mesmo ano, resistiu ao ataque dos holandeses. Capitulou em 1634 ante ataque holandês.
Na imagem, em primeiro plano com letra A aparece o Forte de Cabedelo. Atrás, como letra B, o forte de Santo Antônio.

Como citar este verbete: 
SATLER, Fabiano Aguilar. "Forte de Santo Antônio (Paraíba)". In: Base de Dados BRASILHIS: Redes pessoais e circulação no Brasil durante o periodo da Monarquia Hispânica (1580-1640). Disponível em: https://brasilhis.usal.es/pt-br/node/13182. Data de acesso: 12/06/2024.