Confraria das Almas

Identificador: 
RE-60
Tipo: 
Fecha Inicial: 
1566
Observaciones: 

Devoção promovida pelos jesuítas e que pronto se organizou em confrarias.

"A devoção às almas do Purgatório, tão característica do povo português, trasladou-se com ele para o Brasil. Apenas chegado a S. Vicente, conta o P. Leonardo Nunes que entre outras práticas de devoção, "às segundas-feiras, quartas e sextas, à noite, tangia a campainha pelos finados”. Em 1567, o Padre Caxa pedia graças especiais, a favor das almas, em cada missa que dissesse. Concedeu as o R Geral, por intermédio do B. Inácio de Azevedo, a quem ao mesmo tempo transmite a faculdade de as comunicar a mais três ou quatro Padres. Além daquele tanger da campainha, o conhecido toque das almas à noite, criaram-se confrarias ou lutuosas a favor dos que morriam, para ocorrer às despesas do enterro e aos sufrágios por sua alma. Tais usos significam uma poderosa reação contra o horror dos índios aos mortos, pois eles não tornavam a entrar nos lugares, onde os enterravam. As confrarias das almas estabeleceram-se nas Aldeias da Bahia, em 1573.

[...]

Em 1583, também existia a confraria das almas, na Aldeia de S. Lourenço, do Rio, bem como a do S.mo Sacramento."

Fonte: Leite, Serafim, História da Companhia de Jesus no Brasil - Vol. 1, p. 326.

Itinerario de la religiosidad: 
Motivo: 
Religiosidades
Fecha Inicio: 
1566
Itinerario/Viaje: 
Portugal
São Vicente
Bahia
Rio de Janeiro
Cómo citar esta entrada: 
SATLER, Fabiano Aguilar. "Confraria das Almas". En: BRASILHIS Database: Redes personales y circulación en Brasil durante la Monarquía Hispánica, 1580-1640. Disponible en: https://brasilhis.usal.es/es/religiosidad/confraria-das-almas. Fecha de acceso: 07/12/2022.