José de S. Tereza Ribeiro, OC (Joseph Lima)

Identifier: 
P-4663
Name: 
José
Surname(s): 
de S. Tereza Ribeiro, OC (Joseph Lima)
Subject: 
Gender: 
Masculino
New Christian: 
No
Observations: 

Frade carmelita.

Ano de primeira referência ao personagem: 1625

Ano de falecimento:

 

Foi o primeiro noviço havido na Vigairaria do Maranhão. O Comissário ou Vigário Provincial, Fr. Francisco da Purificação lançou-lhe o santo hábito a 4 de outubro de 1625. No século chamava-se Joseph Lima, e na Religião tomou o nome de Frei José de santa Thereza. Era varão de grande virtude. Fez seus estudos eclesiásticos em Lisboa, donde, depois de recebidas as sagradas Ordens em 1647, regressou ao Maranhão. Naufragando o navio em que fazia viagem, no lugar denominado Camucim, teve a fortuna de salvar-se. Chegado a seu destino, tratou logo de dar princípio a fundação do Convento de Tapuytapera, hoje vila de santo Antônio de Alcântara, com o título ou invocação de Nossa Senhora do Carmo, do qual foi ele o primeiro Prior. Fez doação do terreno e o mais necessário para esta fundação o Donatário da dita Vila, Antônio Coelho de Carvalho, Desembargador do Paço.

"Pouco tempo esteve Fr. José no exercício do seu Priorado, porque, como cativo que foi dos índios, conhecendo bem as línguas das diversas tribos daquele sertão, Sua Majestade quis aproveitar seus bons ofícios para outra importante missão e, por isso, determinou-lhe neste mesmo ano (1642), fosse acompanhar a Bartholomeu Barreiro de Athaide ao Rio Negro e o auxiliasse no grande cometimento que lhe tinha sido incumbido naquelas incógnitas e inóspitas regiões.

"Em Tapuytapera foi substituído pelo Rev. P. Fr. Pedro de Magdalena, Vig. Provincial, que prosseguiu a obra do Convento". (Fr. M. de Sá, Mem. Hist. Pág. 329).

Fundou ou estabeleceu a sede da Freguesia de N. S. do Rosário de Nogueira, na ponta do Parauary, na Bahia do Tefé, formada pelo rio deste nome, afluente da margem direita do Solimões. Em 1751 missionava esta, então, Aldeia. E em 1768 residia no Lugar de Castro de Avelans, no alto Solimões. A aldeia foi fundada primitivamente na margem do Solimões, entre o rio  Tefé e o lugar Alvarães; depois foi para a ponta do Parauary, na Bahia de Tefé, onde os espanhóis a destruíram; em 1758 foi reconstruída com o nome de Nogueira, onde hoje existe.

"Em 1647 saiu de S. Luis do Maranhão, Bartholomeu Barreiro de Athaide, mandado por El-rei ao descobrimento das minas do rio "Aguarico ou do Ouro”, e foi acompanhado do Religioso carmelitano Fr. José de Santa Theresa que por ter ido muitos anos cativo de gentio, sabia a língua de várias nações daquele sertão. Desta expedição parece que não houve resultado algum". (Synopsis ou Deducção Histórica, pelo General José Ignácio de Abreu Lima. Pág. 6l). 

Um depoimento feito em 12 de Outubro de 1685, arquivado na Câmara de S. Luis Do Maranhão, cuja cópia fiel obtivemos por gentileza de um amigo, confirma o que deixamos acima referido, acrescentando o seguinte: “Fr. José de Santa Thereza (Grande Língua), além de doutrinar os gentios da terra, acompanhou ao Capitão-mor Bartholomeu Barreiro de Athaide aos sertões mais remotos do Rio Negro, onde havia imensidade de índios e mui populosas aldeias".

 

Fonte: PRAT, André. Notas históricas sobre as missões carmelitas no extremo norte do Brasil (séculos XVII e XVIII). Mossoró: [s.e.], 1941.

Position:
Id ATLASPositionPlacePlace DescriptionFromUntil
40607Ingresso na Ordem CarmelitanaSão Luis04/10/1625