Maria Adelina Amorim, A missionação franciscana no estado do Grão-Pará e Maranhão (1622-1750) : agentes, estruturas e dinâmicas

Identificador: 
RB-1268
Author: 
Maria Adelina Amorim
Title: 
A missionação franciscana no estado do Grão-Pará e Maranhão (1622-1750) : agentes, estruturas e dinâmicas
Type: 
Publication data: 
Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras 2012
Observations: 
Esta Tese pretende analisar, partindo do conhecimento da sua estrutura interna, o modo como a Ordem Franciscana se implantou no antigo Estado do Grão-Pará e Maranhão, e aí exerceu o seu munus durante três séculos. Sistematiza-se, à luz de abundante documentação inédita, a orgânica desta Ordem Mendicante, os seus principais agentes, com destaque para Frei Cristóvão de Lisboa, e o seu percurso histórico na Amazónia colonial portuguesa. Explicam-se os mecanismos e dinâmicas de que os Menores, sobretudo os da Província de Santo António, responsável primeira desse processo, se serviram no decurso do seu apostolado, relacionando-a com outras instituições e agentes, tanto no terreno, desde os moradores, índios ou brancos, aos membros de governação local e às outras ordens regulares e clero secular, como no Reino, desde a Coroa às instâncias que regulavam a vida eclesiástica e a missionação. Parte-se, assim, do entendimento do sentido de Missão da Ordem Franciscana nas suas bases arcanas, e a orgânica das estrutura daí decorrentes, tomando como pressuposto que, se não houvesse essa matriz fundadora – o desiderato de evangelizar, propagar a fé cristã, divulgar a mensagem, pregar o Evangelho –, a própria existência desta organização no antigo Estado colonial do Norte brasileiro estaria comprometida. Seguindo a exportação de práticas evangelizadoras e de modelos pedagógicos, a acção dos Franciscanos antoninos no espaço amazónico nos séculos XVII e XVIII foi uma história marcada por duas vertentes distintas e complementares: a fidelidade a valores de identidade e a um lugar de pertença, ou seja, uma instituição com Regra, estatutos e jurisdição próprios, e a aplicação desta, tantas vezes de forma contraditória e conflitual. Tal explica o papel identitário dos antoninos, e também os conflitos com as estruturas da governação colonial, os vários grupos laicos e religiosos e, até, os que existiram no seio da família franciscana entre os três ramos, com a chegada de frades da Piedade (1693) e a cisão com os da Conceição (1706). Tem que se entender o historial desta instituição, não só a partir da actuação no espaço colonial onde estavam integrados, mas também dentro da dinâmica da Ordem Seráfica, que foi sempre um factor determinante, fazendo valer privilégios, prerrogativas e jurisdições em qualquer lugar do antigo Império português. Importa perceber de que modo os Franciscanos actuaram, quais os processos que utilizaram, e o que tinham de diverso em relação a outras instituições afins; que marca 14 identitária lhes permitiu distinguirem-se dos outros agentes no terreno. Que diferença? Há diferença? E se a História precisa de interpretar os vestígios memoriais subjacentes, o presente estudo vem demonstrar que os Franciscanos não escreveram a sua História na areia, e que é possível reavaliar este capítulo da historiografia luso-brasileira. É deste legado histórico, cultural, ideológico, e patrimonial, edificado pelos Franciscanos desde a formação do Estado pará-maranhense, a partir de 1621, que trata a presente dissertação.
Subject: 
Referenced persons:
Total: 1
Characters introduced from this work
Frei Cristóvão de Lisboa (Cristóvão Severim de Faria)

Universidad de Salamanca
Ministerio de Economía y Competitividad
Datos cartográficos de Atlas Digital da América Lusa